Caronte – O Barqueiro do Inferno – Mitos da Mitologia Grega

Caronte, filho de Érebo e da Noite, era um deus velho mas imortal. A sua função era transportar para além do Estige e do Aqueronte as sombras dos mortos em uma barca estreita, feia e de cor fúnebre.

Era não somente velho mas também avaro; não recebia na sua barca senão as sombras daqueles que tinham tido sepultura e que lhe pagavam a passagem. A soma exigida não podia ser menos de um óbolo nem superior a três; por isso os parentes punham na boca do defunto o dinheiro necessário para pagar a sua passagem.


Caronte repelia impiedosamente as sombras daqueles que haviam sido privados de sepultura, e deixava-as errar durante cem anos sobre as margens do rio, onde em vão estendiam os braços para a outra margem.

Em vida nenhum mortal podia entrar em sua barca, a não ser que tivesse como salvo-conduto um ramo de ouro de uma árvore fatídica, consagrada a Prosérpina. A Sibila de Cumes deu um desses ramos a Enéias quando ele quis descer aos Infernos.

Pretende-se mesmo que Caronte foi punido e exilado durante um ano, nas profundezas do Tártaro, por ter passado a Hércules na sua barca, sem que esse deus estivesse munido do magnífico e precioso ramo.

Representação de Caronte na Mitologia

Caronte

Esse piloto dos Infernos é representado como um velho magro, grande e vigoroso; os seus olhos vivos, o seu rosto majestoso e severo, têm um cunho divino; a sua barba é branca, longa e espessa; as suas vestes são de uma cor sombria e manchadas do negro limo dos rios infernais; ordinariamente representam-no de pé sobre a sua barca, segurando o remo com as duas mãos.